Confira as palestras sobre PED e PP-3 realizadas na AMBEP

Confira as palestras sobre PED e PP-3 realizadas na AMBEP

631


Nos dias 14 e 19 de março, a AMBEP promoveu palestras sobre o Plano de Equacionamento do Déficit (PED) e o Plano Petros-3, proferidas pelo Assessor da Presidência Pedro Carvalho. Os dois encontros foram realizados no auditório da AMBEP-Rio e tiveram transmissão online para todas as nossas Unidades, com envio de perguntas via e-mail.
 

Na ocasião, o Sr. Pedro Carvalho fez um panorama sobre as grandes causas do déficit da Petros, como a dívida das patrocinadoras, os Pré-70, as questões da família real e tábua de mortalidade, além dos casos de gestão fraudulenta e gestão temerária. Também foi abordado o andamento da Ação Civil Pública da AMBEP que, atualmente, encontra-se na fase de citação dos réus e apresentação das respectivas contestações. A Ação de Litisconsórcio da Fenaspe também foi comentada. Hoje encontra-se suspensa por conta da tentativa de incluir a Previc nos autos principais do processo, o que poderá levar a Ação à Justiça Federal.

O Plano Petros-3 foi um dos assuntos mais questionados durante a apresentação. Polêmico, o novo plano aguarda ainda aprovação do Conselho de Administração dos patrocinadores, da Previc e da Sest. O sr. Pedro comparou a nova proposta da Fundação ao PPSP-R e PPSP-NR e alertou para os cuidados e as ‘armadilhas’ que os participantes devem se atentar na hora de decidir se irá migrar ou não.

Vale ressaltar também a proposta do Grupo de Trabalho (GT) da Petrobras, que prevê uma série de ajustes no PPSP-R e PPSP-NR para solucionar o déficit. Elaborado pela FUP, FNP e FNTTAA, o ajuste traz como propostas: introdução da contribuição paritária das pensionistas no mesmo patamar dos participantes e assistidos, contribuição adicional sobre o abono anual (13º) líquido por até 10 anos, com alíquota máxima de 30%, implantação de redutores nos reajustes dos benefícios, por plano e por faixa de contribuição, com a subtração máxima de 2,8% do índice de reajuste por 5 anos, entre outros ajustes.

A expectativa do GT é que em dez anos o plano esteja equilibrado. Os cálculos atuariais foram feitos e a proposta de ajuste já foi entregue à Petros, que deverá dar andamento ao processo. A AMBEP participou da elaboração do documento, embora não tenha participado oficialmente do GT, apesar de ter solicitado.

Após a apresentação, o Sr. Pedro Carvalho abriu o espaço para perguntas dos participantes.

Assista o vídeo completo em nosso portal aqui

clique aqui e veja a apresentação

ARTIGOS SIMILARES