Exercícios físicos: aliados na prevenção e luta contra o Alzheimer

Exercícios físicos: aliados na prevenção e luta contra o Alzheimer

338

O Alzheimer é uma das doenças que mais preocupam as pessoas da terceira idade, principalmente porque a medicina ainda está encontrando formas de combater este mal.

Caracterizado principalmente pela perda de memória, confusão mental e alterações no comportamento, o problema atinge 6% da população a partir dos 65 anos e 33% da população com mais de 85 anos. Segundo o Ministério da Saúde, estima- -se que haja mais de 1 milhão de pessoas com a doença no Brasil.

O início da doença costuma ser silencioso na maior parte dos pacientes. Por isso, é importante dar atenção aos primeiros sinais e manter uma rotina de consultas médicas. Geralmente, os sintomas mais comuns em um diagnóstico de Alzheimer incluem esquecimento constante e apatia, interferindo até mesmo nas atividades diárias e de rotina do idoso. Com o passar do tempo, o quadro se agrava e os sintomas evoluem para distúrbios de linguagem, alterações visuais, dificuldades motoras progressivas, declínio intelectual e sintomas psicóticos.

REDUÇÃO DE ATÉ 50%

Em um artigo publicado pelo médico Dráuzio Varella, ele ressalta que a doença de Alzheimer e outras demências comuns na velhice são mais comuns entre pessoas iletradas e sedentárias. Segundo um estudo de pesquisadores da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, a atividade física pode reduzir o risco de Alzheimer em até 50%. Estudiosos da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) divulgaram um levantamento no início deste ano, comprovando que a prática de exercícios libera o hormônio irisina no corpo. Em testes com camundongos, ficou comprovado que a presença da irisina no organismo ajuda a diminuir os problemas de memória e a proteger o cérebro. A intenção dos cientistas é aprofundar os estudos sobre novas terapias a partir do uso desse hormônio.

O início da doença costuma ser silencioso na maior parte dos pacientes. Por isso, é importante dar atenção aos primeiros sinais e manter uma rotina de consultas médicas

É possível prevenir a doença

O número de portadores das chamadas demências, grupo de doenças que inclui o Alzheimer e o Parkinson, aumenta a cada dia, mas, segundo estudiosos, existem formas de preveni-las. Praticar atividade física, comer de forma equilibrada e manter a mente sempre funcionando são medidas capazes de afastar (ou pelo menos retardar) esses males. E, embora a ciência já soubesse disso, o Relatório Global de Alzheimer, divulgado pela organização não governamental Alzheimer’s Disease International, reforçou essa tese. Segundo o estudo, existem evidências científicas significativas de que a baixa escolaridade aliada a maus hábitos alimentares, hipertensão e cigarro são fatores associados ao desenvolvimento de doenças neurodegenerativas na terceira idade. Por isso, a entidade alerta para a urgência de combatê-los por meio da adoção de uma vida mais saudável e ativa desde cedo. Veja algumas dicas:

Mantenha a cabeça em funcionamento

Estudar, ler, desenvolver novas habilidades e até conviver com diferentes tipos de pessoas são atividades que estimulam os neurônios a estabelecerem mais conexões entre si. E quanto maior for essa comunicação entre as células nervosas, melhor. Desse modo, o cérebro tem mais capacidade de contornar eventuais falhas e até retardar a manifestação de demências. Para ter ideia, a inatividade cognitiva aumenta em 19% o risco de ter Alzheimer, segundo o neurologista Paulo Bertolucci, da Universidade Federal de São Paulo

Durma bem

Uma boa noite de sono é fundamental para manter a cabeça em ordem. Afinal, é nesse período que gravamos tudo o que aprendemos. O ideal é um repouso sem interrupções e relaxar antes de ir para a cama.

Exercite-se

Estudos apontam que a atividade física protege contra demências. Os mecanismos envolvidos nesse processo ainda não são totalmente conhecidos, mas já se sabe que a atividade física libera neurotrofinas, substâncias que ajudam na manutenção da memória.

Alimente-se de forma balanceada

Comer de forma equilibrada é muito importante para manter o corpo saudável – da cabeça aos pés. Uma dieta baseada em frutas, verduras, cereais, peixes, azeite e o consumo moderado de vinho é ideal

SAIBA COMO MELHORAR A ROTINA DO PORTADOR DE ALZHEIMER

Ter uma pessoa com a doença de Alzheimer em casa é uma missão desafiadora para qualquer família. As mudanças na rotina são significativas e as necessidades precisam ser entendidas para garantir a qualidade de vida do paciente.

Atividades físicas

Incentive o paciente a fazer exercícios ou outras atividades que gerem satisfação. Outra recomendação é estimular a independência, ajudando a pessoa apenas em situações em que ela não consiga ficar sozinha.

Ative a memória

Uma boa dica para estimular a mente do paciente é lembrá-lo de sua própria história de vida. Para isso, utilize álbuns de fotografia, vídeos antigos da família e músicas marcantes para a pessoa. Outra boa opção é fazer palavras cruzadas e manter o hábito de leitura.

Atenção à segurança

Adote algumas medidas para evitar acidentes domésticos, como usar cadeados em armários com itens perigosos, verificar a temperatura da água e evitar tapetes ou objetos que facilitam uma queda.

Comunicação

Evite falar com a pessoa com a doença de Alzheimer como um bebê e não ignore a presença do paciente nos ambientes. Quando falar com o idoso, seja objetivo, olhe nos olhos e dê tempo suficiente para ele responder. Se ele estiver confuso, não discuta nem seja grosseiro.